analfabetismo
Please do not change this code for a perfect fonctionality of your counter analfabetismo

Valorize a cultura depositando qualquer quantia na conta corrente BRADESCO 5920-0 Agência 3679-0 podes depositar on line pelo site www.bradesco.com.br. BOA LEITURA!
Sexta-feira, 30 de Junho de 2017
Minha amiga Jandira
depositphotos_76861487-stock-video-young-boy-in-he


Minha Amiga Jandira

Toda criança sempre sonha em ter uma bicicleta, pois é um tipo de veículo que as fascina pela sensação de liberdade que ele proporciona. Assim quando o meu irmão mais velho recebeu de presente uma, foi a maior alegria, como eu ainda era muito pequeno, só cabia a mim sentar na “ponga” e aproveitar a viagem, o que não era tão legal para ele, pois tinha que pedalar em dobro, e para acompanhar os colegas ficava muito difícil, mas eu não o largava,só queria ir junto para apreciar as aventuras pueris. Quando passávamos o verão em Itaparica então, era uma "coqueluche", grupos e mais grupos na “magrela” onde formavam-se turmas, paqueras e muita diversão à solta. Numa dessas noites, meu irmão saiu escondido para encontrar a turma ficando eu, desesperado por não ter ido, um tempo depois chega ele carregado, porque tinha subido o meio fio, indo terminar no chão, numa dessas peripécias de criança. Logo chegou a minha vez de ganhar uma, o que foi muito legal, contudo para aprender deu uma mão de obra, meu pai segurava atrás para tentar me equilibrar, mas nada, o tempo foi passando e aos poucos eu fui aprendendo, até que num determinado dia consegui sair pedalando pelas ruas desta cidade-verão, mas não era fácil, porque sempre havia algo para levar uma queda, os primeiros dias chegava a levar cinquenta quedas. Teve uma vez que uma gorda me atropelou, isso mesmo! Porque quando estava passando, me bati com ela, a dona ficando em pé e eu caí, sendo socorrido por esta senhora que se chamava Jandira, que sempre lembra do fato, fazendo assim uma boa amizade, sendo assim comecei a chamar minha bicicleta de Jandira, o que tornou um fato até engraçado, pois foi uma homenagem que fiz à sua pessoa. Assim eu já participava das turmas de bicicleta junto com meu irmão, andávamos a cidade toda, sempre procurando novas aventuras. Quando voltava para Salvador, Jandira vinha no porta-malas toda dobradinha, e sempre que mencionava o nome da minha amiga, gerava uma confusão, ou pelo menos uma curiosidade. Jandira envelheceu e terminou enferrujada no canto, pois os outros modelos eram bem melhores, mas depois de grande só ficou na lembrança as duas Jandiras, pois a nativa de Itaparica morreu e a minha, nem sei onde está hoje.

Marcelo de Oliveira Souza,IWA - Salvador - BA - Brasil Escritor e Organizador do Conc Lit Poesias sem Fronteiras Blog: <http://marceloescritor2.blogspot.com/> http://marceloescritor2.blogspot.com<http://marceloescritor2.blogspot.com/> Site do Concurso de poesias: <http://www.poesiassemfronteiras.no.comunidades.net/> www.poesiassemfronteiras.no.comunidades.net<http://www.poesiassemfronteiras.no.comunidades.net/> Face: psfronteiras<http://www.facebook.com/psfronteiras> Instagram: marceloescritor


publicado por marceloescritor às 16:09
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
Marcelo De Oliveira Souza

Criar seu atalho
Conheça seu par ideal!
links
Concurso de Poesias

Criar seu atalho


Recados Para Orkut


links
blogs SAPO
subscrever feeds